24 de set de 2010

Geórgia, anyone?!

Nosso ponto alto da viagem sempre foi chegar na Armênia, país da família paterna e materna do Marcão. 
Estávamos em Dogubeyazit na Turquia, apenas 30 km da fronteira com Armênia, mas não pudemos atravessar por aí, a fronteira entre estes 2 países ainda está fechada.
Ok, então lá vamos nós pegar mais horas e horas de estrada, para dar a volta por cima e entrar pela Geórgia e finalmente na Armênia. Claro que nada é tão simples  assim e demoramos quase 3 dias para conseguir atravessar tudo isso. Mas ter dado esta passada relâmpago pela Geórgia, valeu a pena, foi bem interessante dormir numa vila rural, num país pequeno, já quase na Rússia. 
Eu me senti a Madona do pedaço, por onde passava, todos olhavam, fofocavam e sorriam. Não devem receber turistas com frequência, já na fronteira entre Turquia e Geórgia, os guardas pegaram nosso passaporte, e riam entre eles, riam de alegria, éramos os primeiros brasileiros a atravessar aquela fronteira!! Eu achei fantástico!
Brincamos de mímica a todo momento, NINGUÉM falava um Oi em inglês. Encontramos um bar/restaurante e apontamos para a comida e bebida do vizinho, querendo dizer, traga igual para a gente!  Não interessa se é bom ou ruim, nem como é feito ou com se chama, temos fome e sede! 
E veio um tipo de pastel cozido no vapor, recheado de carne e especiarias. Muito bom!! Depois descobri o nome, Khinkali. A cerveja georgiana também é muito boa. 



Nem me despedi da cidade, vamos ter que fazer todo o caminho de volta e passar por lá novamente….

repolho monstro

Alguém já viu repolho tão grande assim?
Estes eu encontrei na cidade de Erzerum na Turquia e pesam cerca de 5kg cada um!!! 
Já imaginaram o cheiro da cidade?!!




O sorveteiro que dá um show!


Sorvete na Capadócia
Upload feito originalmente por
anacristorres10
Esse sorveteiro engraçado está dentro do "open air museum" em Goreme, na Capadócia. 
Ele fica fazendo este showzinho de rodar o sorvete no ar e atrai atenção de todos os turistas babões, inclusive eu claro! 
A tradição de rodar o sorvete no ar é para deixá-lo mais cremoso, faz a mesma função da máquinas de sorvete, estica, puxa, roda, estica, puxa….quanto mais, melhor.
O sorvete em si não chega a ser mil maravilhas, mas neste cenário e com esta apresentação, não pude resistir, fui lá me divertir e me deliciar.




Pottery Kebab, tradição da Capadócia


Pottery Kebab, Turquia
Upload feito originalmente por anacristorres10





 








A Capadócia é linda e deliciosa, além de valer a viagem pela beleza, esta região na Turquia também conquista pelos sabores. 
Comida turca de interior, caseira, saborosa, familiar, feita com carinho. 
Pottery kebab é a marca da região, principalmente na vila Goreme. 
Carne e legumes são cozidos no forno à lenha em potinhos de barro lacrados com pedaço de massa de pão. 
Teoricamente demora cerca de 3 horas para ficar pronto, cozinhando bem lentamente…você tem que avisar o restaurante na hora do almoço que vai querer jantar o pottery kebab, assim eles  preparam com antecedência. 


Mas com tantos turistas esfomeados na região, eles deram um jeito de "trapacear" e também fazem a versão "para gringo ver" em apenas 30 minutos. De qualquer maneira vale à pena e é divino, a carne e os legumes derretem na boca.
E para acompanhar, nada melhor que um vinho tinto da região da Capadócia, é surpreendente...


Pide, a esfiha turca

preparando a Pide, uma grande e deliciosa esfiha!        
Vai ao forno à lenha....
ótimo petisco para acompanhar uma cerveijnha turca Efes.




Ayrani, o refresco dos turcos


Após uma longa viagem entre taxi, ônibus, lotação, carona,... atravessamos a fronteira da Síria, entramos na Turquia e chegamos na linda Capadócia.

Já na estação de ônibus de kayseri, vi uma barraquinha com fila na porta para comprar o refresco de eleição dos turcos, o Ayrani. Eles bebem no almoço, jantar, chá da tarde, a toda hora.
Fui lá verificar. 
Uma pia, um líquido branco saindo da torneira sem parar, uma espuma meio nojenta, e todos esperando ansiosos pela bebida. Perguntei o que era, ninguém falava inglês, eu não falo turco, não consegui entender, vou ter que experimentar. 
O Marcão saiu de perto, falou: Nem pensar, eu não ponho minha boca nessa espuma. Eu sim. 
Ela encheu o copo com o líquido branco e completou com bastante espuma por cima, colocou ainda mais espuma que o normal para a turista provar! Eu já estava salivando...
Não tenho foto da minha cara de nojo após o primeiro gole, ainda bem…
O líquido é um yogurte até que cremoso, mas é salgado e temperado, arrrrgghhhhh! Parece uma "coalhada seca" líquida, bem temperada e bem salgada, que sensação estranha!
Os turcos que me perdoem, mas que refresquinho mais indecente esse… 

15 de set de 2010

O Kibbe Nayeh da tia Sylva



A tia Sylva nasceu no Líbano mas é de família armênia, ela morou no Brasil por 10 anos quando foi casada com o tio do Marcão. 

Ela voltou a morar em Beirute e foi com ela que eu aprendi a fazer o melhor e mais fácil kibe crú de sempre!

500gr de carne muito bem moída e da melhor qualidade
100gr de bulgur pequeno (trigo para kibe) demolhado
1 cebola ralada (bem fininha)
sal, pimenta

Amassar bem o trigo, a carne e a cebola e ir adicionando um pouquinho de água gelada pouco a pouco
Fazer bolinhas não muito perfeitas...
E está pronto!










Shawarma

O salvador de qualquer viajante com o orçamento apertado, o mister Shawarma, mais conhecido como churrasquinho grego, é bom e barato, só não é muito bonito...
Em Beirute, a tia do Marcão nos levou no bairro armênio Burj Hamooud para provar o melhor shawarma da cidade.

Eles trocam estes espetos gigantes 3 vezes ao dia, de tanto que vendem....









Lá também provamos o sanduíche de Basterma armênio, a carne seca com especiarias de sabor intenso e delicioso. 






Se fizer uma visita a linda Beirute, não deixe de provar as delícias do "boteco" do MANO.

De onde vem o pistache

Aqui no Oriente Médio, qualquer "mezze" (aperitivo) inclui uma cumbuquinha com deliciosos pistaches. Mas aqui nem sempre eles são torrados e salgados, o gostoso mesmo é comer ele fresco, recém colhido da árvore. 
Aí você se pergunta: Que árvore?? Pensei que eles nasciam nas bandejinhas de supermercado, já prontos para ser comidos... 

Este magnífico pé de pistache tem mais de 400 anos e fica dentro de Petra na Jordânia.
Pistaches frescos: para comer tem que tirar a casca de fora que é molinha e depois abrir a casca de dentro

13 de set de 2010

Beirute em Beirute?

Valendo um beirute do Frevinho para quem souber me explicar porque nosso beirute chama beirute...
No Líbano não existe nada parecido com este sanduíche...
Nós somos mesmo criativos, não?!

8 de set de 2010

Babaganuch

Com tanta beringela à minha volta e comendo babaganuch pelo café-da-manhã almoço e jantar, vou aproveitar parar deixar aqui minha receita desta pasta de beringela que é deliciosa e saudável.


ps: as medidas não são exatas, cada um adiciona o ingrediente que gosta mais na quantidade que quiser.


2 beringelas grandes, ou 1 gigande se for comprar no mercado árabe.
1 dente de alho bem picadinho (eu gosto muito de alho, então coloco 2 dentes)
1 bela colherada de Tahine (pasta de gergelim)
azeite
suco de limão
sal


Torrar a beringela inteira no fogo até a casca ficar pretinha, levar ao forno aquecido por uns 10 min, até a beringela ficar mole. Abrir ao meio, retirar todo o recheio delicadamente com uma colher, misturar os outros ingredientes, esmagar bem e misturar tudo com um garfo, esperar esfriar, e tá pronto! 


Servir como entrada, num sanduíche ou mesmo como acompanhamento de um prato principal.

Belezinhas de mercado árabe II

Por todas as cidades do oriente médio que passei, fui conferir o souk, o mercado local. São todos tão iguais, mas tão diferentes. Os produtos, as roupas, o estilo de venda do vendedor, tudo muda dependendo do país. Mas o mercado que mais me agrada é o de comidas, claro. 
As "feiras" de rua são fantásticas, as frutas e legumes são lindos, orgânicos, simples e deliciosos, as cores vibram! 


Beringelas gigantes!
...e mais beringelas


tâmaras frescas
As romãs dos reis magos



mais beringelas...haja babaganouch!

Belezinhas de mercado árabe



pistaches, nozes, amêndoas...
Souk em Damasco, Síria
cominho, cardamomo, páprica,...
A verdadeira cor do pistache

Palitinhos de açúcar para adoçar o café, chá,...
Sabonetes de azeite, fazem sucesso desde a época das rainhas egípcias. 

4 de set de 2010

Amêndoas açucaradas em Damasco, Síria

E foi tropeçando na história de Damasco, uma das cidades mais antigas do mundo, que praticamente caí dentro desta fábrica de amêndoas açucaradas, aquelas que são oferecidas em casamentos...
As amêndoas são originárias do Irã, e por aqui, elas são vendidas em quase todas as lojinhas do souk.
Elas ficam rodando naqueles tambores por 3 horas até ficarem prontas, roda, roda, calda de açúcar, mais açúcar, roda, roda, calda de açúcar,...
O amargo da amêndoa e o doce do açúcar, fazem mesmo um par perfeito.

Encontrei esta explicação para oferendas de amêndoas em casamentos:

Cinco amêndoas para cada convidado comer
Para lembrar-nos que a vida é ao mesmo tempo amarga e doce.
Cinco desejos para o novo marido e mulher:
Saúde, riqueza, felicidade, filhos e uma vida longa!

Esfihas


Esfihas em Damasco, Síria.
Upload feito originalmente por anacristorres10
E finalmente após tantos dias no Oriente Médio chegamos em Damasco na Síria e aqui eu encontrei esfihas!
Uma lojinha de rua, bem simples, fazem esfihas num segundo, de queijo de cabra, chili, carne de cordeiro...
O forno não é a lenha, mas garanto, foi das melhores que já comi.
A massa fininha, crocante, e o tempero dos recheios... sem comentários.
Para ficarem com mais água na boca, fui lá e gravei tudo.

1 de set de 2010

A fantástica fábrica de pão árabe

Estava andando pelas ruas de Aqaba no sul da Jordânia, vi esta padaria lotada de gente e de pão. Ninguém comprava 3 ou 4 pãezinhos, compravam quilos e mais quilos. Pensei, esta aqui deve ser das boas.
Fui lá fotografar, encontrei o dono lá dentro, feliz e contente que eu estava fotografando a padaria dele. Perguntei como se faziam tantos e tantos pães, onde está a fábrica? Ele sorriu e disse, follow me! Meu coração pulou, será que vou finalmente saber como fazem estes benditos e tão deliciosos pães?
Sim, começamos a descer muitas escadas e lá embaixo estava literalmente um forno, o padeiro tomava conta da parafernalha toda, muitas máquinas, farinha, e aquele cheiro de pão fresco fantástico.
Sorri e comecei a filmar tudo, para vocês também se deliciarem....